Euroogle
App Euro Ogle
TE PCS DC
Definição encontrada no Dicionário de Cidadania
Revolução dos Cravos

No dia 25 de Abril de 1974, diversos oficiais integrados no Movimento das Forças Armadas (MFA) coloca o ponto final no regime autoritário designado salazarista-caetanistta, cuja origem remontava a 28 de Maio de 1926, quando tropas comandadas por Gomes da Costa liquidam a I República.

Após quase quarenta anos do 25 de Abril, certo sector da sociedade portuguesa continua a considerar o acto um golpe militar a quem apodam de abrilada. Esta corrente de opinião, ultra minoritária, não desarma no propósito de manter a ideia de bambúrrio a resultar em quartelada vitoriosa, apesar da real/realidade demonstrar de forma inequívoca que a acção dos militares rapidamente tomou a forma e conteúdo de Revolução.

Se a entusiástica adesão da esmagadora maioria da população portuguesa a tão importante acontecimento, se o acto simbólico da criança a colocar um cravo no cano da espingarda de um soldado, se a imediata abolição dos serviços de censura e dos órgãos repressivos do regime ditatorial mais antigo da Europa não são elementos suficientes ou não convencem os espíritos ressabiados, ofendidos e zangados com o "25 de Abril” para lhe concederem a dimensão de Revolução, o programa do MFA, só por si outorga-lhe tal condição. O seu travejamento assentava em três D, s – democracia, descolonização e desenvolvimento. Vejamos em apertada síntese o seu significado: 

· Plano político: democratizar.

Só os próceres e clientelas do sistema extinto eram contra a instauração da democracia caucionadora da liberdade de expressão de pensamento, eleições livres, banimento da polícia política, dos tribunais plenários e restantes organismos próprios dos regimes ditatoriais. A democratização do País é elemento fulcral da Revolução de Abril. 

· Plano militar e político: descolonização.

Uma das muitas causas da Revolução reside na guerra colonial, sorvedouro de vidas e recursos, obrigando os oficiais do quadro permanente a sucessivas missões nas colónias, sendo particularmente fustigantes na Guiné e em Moçambique, em Angola a actividade do MPLA, Unita e menos a FNLA, estava confinada a bolsas territoriais de menor significado levando em linha de conta a sua extensão territorial.

Militarmente a descolonização efectuou-se de forma atabalhoada, nalguns casos de maneira desastrosa, até achincalhante para a nossa dignidade enquanto País, além de desrespeitar a memória de todos quantos verteram sangue e perderam a vida no cumprimento do dever. Não está em causa a justeza ou não da guerra em si, está, isso sim, o facto de na altura da admissão dos nossos erros não termos sabido proceder à retirada com sentido de Estado, sem esquecer a protecção dos portugueses e seus haveres que retornavam a Portugal.

O grosseiro e precipitado regresso das nossas forças armadas castigaram severamente os portugueses nascidos e a viverem nas colónias, provocando ódios e ressentimentos que perduram, acarretando a debilidade de Portugal nas negociações com os movimentos de libertação. O slogan – nem mais um soldado para as Colónias – impôs-se nos quartéis, deixaram de existir condições para a rendição e refrescamento das tropas nas "colónias”, triunfou a indisciplina na maioria das unidades militares, poucas escaparam à balbúrdia, deu-se o desastre.

Acresce a tão gritante fraqueza as contradições reinantes a nível político entre os representantes dos partidos e os militares nos governos provisórios, a redundarem numa descolonização apressada e traumatizante. 

· Plano social: desenvolvimento.

Erros em abundância na prospectiva e no planeamento, decisões de grande importância tomadas ao arrepio do estudo, da reflexão, da análise da causa das coisas e do bom senso, favoritismos partidários são parte integrante do deve e haver do gasto de dias e anos até atingirmos o grau de desenvolvimento esboçado no referido documento do MFA, no entanto, ninguém, mesmo os eivados de má fé podem negar o facto de tal propósito, apesar de tudo, ser uma evidência em todos os sectores da sociedade portuguesa, os indicadores de organismos internacionais o confirmam. E, a génese, está no ocorrido dia 25 de Abril de 1974.

Porquê e como aconteceu?

Foi, sobretudo, pelo ranço da guerra – dezasseis anos – que se gerou o Movimento dos Capitães. Dezenas, talvez centenas de obras, milhares de documentos soltos, memórias, biografias, narrativas, filmes, canções, relatos de espiões, relatórios de várias proveniências, até hagiografias e anedotas explicam ou tentam explicar as causas longínquas e próximas do 25 de Abril. E, no entanto, prosaicamente, os capitães estavam saturados ou mesmo cansados de arriscarem a vida e dos homens debaixo do seu comando, sem vislumbrarem solução militar para o conflito, mormente na Guiné, a qual tinha declarado unilateralmente a independência em Medina do Boé, e em Moçambique.

A suprema razão reside neste facto que se tornou poderoso foco de irradiação de revolta a suscitar o interesse da generalidade dos capitães, e alguns oficiais superiores, majores e tenentes-coronéis. A primeira reunião dos "insubmissos” ocorre no dia 21 de Agosto de 1973, na Guiné, a partir dessa data sucederam-se as reuniões, levando os ultra-direitistas civis e militares a farejarem o perigo, também se reúnem, preparam um golpe de Estado, só que, não consegue romper a casca do ovo onde a ideia germina, dada a acção dos elementos do Movimento dos Capitães. Há ainda a referir o facto de antes de 25 de Abril, no dia 16 de Março alguns capitães da ala spinolista fomentam a insurreição do Regimento de Infantaria N.º 5, das Caldas da Rainha, resultou num acto falhado devido ao isolamento daqueles activistas e da falta de coordenação com o grosso da estrutura do MFA.

Seria estultícia salientar este ou aquele "capitão” na perspectiva de o mais relevante responsável pela finitude de um sistema político circular, cerceador da liberdade em geral, caduco, adepto do obscurantismo da generalidade da população portuguesa. Mas, parece-me de inteira justiça salientar o Capitão Salgueiro Maia, ele foi e é paradigma da generosidade (Marcelo Caetano o salientou), do desprendimento, do anti-herói, do cumprir a missão e regressar ao lar, fugindo das honrarias, promoções e mordomias.
(última alteração: Dezembro de 2013)
Se quiser melhorar este dicionário:
Download App Euro Ogle Download App Euro Ogle