Euroogle
GEPSD PCS IFSC
TE PCS IFSC
Definição encontrada no Novo Dicionário de Termos Europeus
Agenda Europeia para a Migração > Gabinete Europeu de Apoio em Matéria de Asilo (EASO)

O Gabinete Europeu de Apoio em Matéria de Asilo ficou operacional a 1 de fevereiro de 2011, tendo sido aprovado pelo Regulamento 439/2010. Surge na segunda fase de construção do Sistema Europeu Comum de Asilo (SECA), desencadeada pelo Programa da Haia de 2004.

Sediado em Malta, conta com mais de 150 pessoas e o seu diretor executivo é, atualmente, o português José Carreiras.

 

No momento da sua criação, o EASO pretendia contribuir de forma determinante para uma maior coerência na aplicação de todo o edifico jurídico europeu em matéria de asilo sem perder de vista o princípio fundamental do direito ao asilo de que cada caso deve ser tratado de forma individual e considerando as suas especificidades.

 

As suas principais funções consistiam em:

  • melhorar a cooperação operacional facilitando a troca de informações sobre países de origem, providenciando apoio para interpretação/tradução e formação, bem como apoiar a relocação de requerentes de protecção internacional;

  • apoiar Estados-Membros sujeitos a pressão, nomeadamente apoiando no processamento de pedidos de asilo e instalando as infraestruturas adequadas para o seu acolhimento;

  • contribuir para a implementação do SECA, recolhendo e disseminado melhores práticas, elaborando um relatório anual sobre o asilo na União e definindo orientações técnicas para a aplicação das normas europeias de asilo.

 

Em suma, a agência está mandatada para actuar em três grandes domínios: (i) qualidade e formação; (ii) informação e análise e (iii) apoio operacional.

 

No decorrer da chamada "crise migratória”, com inicio em 2014 - e ainda sem fim à vista -, a Comissão apresentou em Maio de 2015 a "Agenda Europeia para a Migração”, com várias medidas operacionais, entre as quais os Hotspots (Centros de Registo), para apoiar os dois países mais afetados - os chamados países da linha da frente - Grécia e Itália. A Agência está também presente aqui.

 

No âmbito desta crise e devido ao que dela se exigia, a agência viu as suas necessidades financeiras e de recursos humanos aumentar substancialmente. Num e noutro caso, a agência foi tendo deficiências, apesar do aumento substancial do seu orçamento e dos repetidos apelos aos Estados-Membros para o envio de mais peritos.

 

É assim que, no âmbito da supra referida Agenda, a Comissão apresenta um conjunto de propostas que iniciaram a terceira fase do Sistema Europeu Comum de Asilo, entre elas uma profunda reforma do Gabinete de Apoio. A Comissão propõe a criação de uma Agência Europeia para o Asilo plenamente desenvolvida, que substituirá o EASO.

 

Se aprovada, a agência disporá de competências reforçadas, incluindo operacionais, nomeadamente através de uma bolsa de 500 peritos que permitirá prestar apoio substancial e rápido a países sob forte pressão; e bem assim no estímulo de maior convergência no SECA, nomeadamente na definição de países terceiros seguros ou na monitorização da aplicação do direito comunitário pelos Estados-Membros.

 

Contudo, esta nova base jurídica está a ver a sua adopção atrasada, contrastando com a vontade de uma aprovação rápida manifestada por ambos os colegisladores. Este atraso contrasta gritantemente com a celeridade com que foi aprovada a nova Agência Europeia de Fronteiras e Costeira (antiga Frontex) o que legitima a crítica que o Conselho e os Estados-Membros são mais enérgicos e desenvoltos nas políticas repressivas do que na ajuda humanitária.

 

É também verdade que diversos instrumentos europeus no âmbito do asilo estão a ser revistos e novos foram apresentados. E o Parlamento Europeu está a ser intransigente - desde o primeiro momento - na inclusão de um mecanismo de monitorização forte (incluindo medidas sancionatórias), que permita prevenir crises e/ou minorar os seus efeitos de forma eficaz e humanitária.

 

De acordo com a proposta apresentada pela Comissão Europeia a Agência terá 500 funcionários até 220 e necessitará de mais de 300 milhões de euros entre 2017 e 2020 (face aos actuais cerca de 15 milhões de euros anuais do seu orçamento).

(última alteração: Maio de 2017)
Co-Autor(es): Carlos Coelho
Se quiser melhorar este dicionário: